sexta-feira, 20 de abril de 2012

          Conflito entre essência


Existem coisas que nós só aprendemos depois que as vivemos. Na adolescência temos a idéia de que vamos descobrir um jeito especial de viver, de forma que só teremos prazer e felicidade. Quando OS problemas aparecem, ficamos desesperados.
No começo, a tendência é culpar sempre OS outros; responsabilizamos OS pais, o ser amado, OS chefes; depois culpamos a nós mesmos e ficamos procurando o que está errado conosco, o tempo todo.
É um período em que vivemos depressivos, pois não conseguimos encontrar nada de bom em nós mesmos. Em seguida percebemos que a felicidade é um jeito de viver a vida, não simplesmente uma coleção de momentos felizes, mas uma postura de compreensão diante dos acontecimentos de nossa vida.

Uma forma de entender que o sofrimento é inevitável. Assim como o prazer também o é. De um jeito ou de outro, eles vão aparecer, apesar DA nossa maneira de administrar nossas vidas, porque viver é uma longa caminhada por entre desertos e oásis, mistérios que a existência prepara para vivermos, diversos pratos exóticos para saborearmos e, através deles, nos descobrirmos.

Mas o fato de saber que existe uma viagem preparada para nós não implica pensar em acomodar-se na vida, desanimar, desistir, porque, por outro lado, exige-se força para realizar a nossa missão no planeta.

O ser humano é parte de todo o universo e, certamente, não é o seu criador e muito menos o seu dono. Essa postura através dos tempos, de senhor todo-poderoso, tem custado ao homem um constante sentimento de impotência e desânimo, porque ele acaba se isolando DA realidade, Da consciência do universo. Esteja certo: tudo o que aconteceu foi perfeito! Esse foi o caminho que a existência encontrou para nos ensinar tantas coisas que precisávamos aprender.
As pessoas esquecem que tudo é temporário, inclusive a nossa permanência no planeta. Na tentativa de garantir que algo fique do jeito que nós planejamos, fazemos loucuras, negamos tanta coisa e não percebemos o que realmente está acontecendo.
Negamos a nossa própria capacidade de ver, para garantir um sonho; negamos a nós mesmos, aos outros, negamos aquilo que é real, para manter a ilusão de que o sonho continua... Vivemos num mundo de aparências, em que representamos ter todas as respostas e certezas, nos afastando de nossa essência.
O duelo entre a essência e a aparência. O drama é que, hoje em dia, o mundo exige que as pessoas busquem freneticamente pelo sucesso, e o menor deslize pode ser punido com o desprezo. Parece que, se a pessoa não for sensacional em tudo o que faz, será um perdedor.
E mais: nesse mundo de aparência e ostentação, em que o dinheiro está sendo mais valorizado do que OS sentimentos, as pessoas se encontram mas não se relacionam, trabalham mas não se realizam e, principalmente, vivem sem conhecer a própria alma.
Roberto Shinyashiki

Nenhum comentário:

Postar um comentário