quarta-feira, 9 de maio de 2012

 

”Eu sou aquela mulher que fez a escalada da montanha da
vida removendo pedras e plantando flores”
(Cora Coralina)

 

E de repente... 

 

... E de repente um doente se curou, alguém perdoou ou pediu perdão, alguém abriu os braços, estendeu as mãos.
... E de repente uma mãe enlutada encontrou consolação, um órfão obteve  adoção e no asilo houve visitas para o ancião.
... E de repente uma fera humana retraiu as garras, um arrogante considerou a humildade, um avarento doou com generosidade.
... E de repente um talento escondido aflorou, a divina singularidade se expressou, e a beleza se fez com majestade.

... E de repente um triste deparou-se com a alegria, um faminto obteve o pão, e o aflito encontrou a solução.
... E de repente reconheceu-se um inocente, e no cárcere um culpado converteu-se, e, alhures, alguém superou um vício.

... E de repente um trabalhador  abençoou o ofício, um desempregado achou colocação, um lar reafirmou-se na união.
... E de repente fez-se paz e luz por toda a Terra e, qual gigantesca onda, tudo permeou, e o " Verbo " por toda parte ressoou.
Foi um instante fugidio, clarão de um segundo: É que nesse átimo de tempo abençoado, alguém, em alguma parte do mundo, abriu a alma para Deus com sinceridade e orou!

Fátima Irene Pinto

Nenhum comentário:

Postar um comentário