segunda-feira, 2 de maio de 2011


Novos dias 

"Doravante, disse Jesus, fica proibido amar com ansiedade de ser amado e servir com a disposição de receber pagamento."
Os roseirais se debruçarão sobre as janelas das casas sorrindo pétalas exuberantes em participação da felicidade doméstica. E os girassóis darão as costas às ruas e campos onde florescem, esgueirando-se pelas frestas dos lares em festas, porque haverá tanta
claridade no reduto doméstico que a estrela Solar
será confundida com as constelações luminíferas,
que explodirão, irisadas, no ninho familiar.
Ficará proibido, também, que o bolo da amizade,
servido às pessoas, receba o fermento da suspeita.
A partir de então, já não será necessário que se fale de justiça com as palavras frias dos Códigos humanos.
Cada um usufruirá do discernimento com o qual respeitará todos os direitos alheios entregando-se aos deveres que lhe cumpre realizar.
Não mais haverá sofrimento. E quem sofrer não se envergonhará disso, porque entenderá que toda dor recupera e somente padece quem é devedor.
A piedade fraternal será transformada em flor
de solidariedade que converge em dever
sem a necessidade dos estímulos fortes.
Vicejará a liberdade sem punição. O revel fruirá da bênção de ser livre e lutará, ele próprio, pela reabilitação. Os animais e as aves não permanecerão em jaulas ou gaiolas. O homem estará subordinado às leis do amor, respeitando o seu irmão e todos os irmãos menores do bosque, do deserto e das planuras.
E dar-se-á ao bem doravante...
Os órfãos, os anciãos, os fracos, os enfermos constituirão oportunidade para os aquinhoados com pais, os amparados pelos filhos, os sustentados pela fortaleza, os resguardados pela saúde, o que impedirá a miséria, a vergonha, o abandono, o sofrimento desnecessário.
O lobo e o cordeiros pastarão juntos, quanto a borboleta
e a abelha na mesma flor ou o regato e a fonte misturando as águas, sem guerra nem extermínio.
Os homens se fitarão nos olhos como as estrelas que se espiam no velário da noite transparente, e o ar balouçando a haste delicada da flor.
Os sorrisos dos pobres cantarão na melodia da
bondade dos ricos, quais palmeiras farfalhantes
nos braços da brisa.
Ninguém a sós... A solidão descerá ao auxílio alheio e a atividade festiva correrá na direção da soledade.
Ninguém mais chorará os seus mortos, nem lamentará
os seus vivos, nem se amargurará com as tristezas... Irromperá uma orquestração de vozes no silêncio da saudade dos que ficaram, encorajando os debilitados. Essas melodias levantarão
os enfraquecidos e todos cantarão...
Doravante, ninguém engane ninguém, pois que se estará enganando a si mesmo. Nem minta, nem ultraje, nem persiga mais. Todos se dêem as mãos e confraternizem com as rosas, com os girassóis, com as tardes coloridas, com os dias de cinza, com as noites estreladas, com as aves e os animais, e os regatos, e as árvores, compondo um quadro de amor perene, que se faça um perene
feriado para o mal.
Doravante, disse o Senhor, e assim se fará
nesses vindouros novos dias.
Divaldo Pereira Franco
in No longe do jardim

Nenhum comentário:

Postar um comentário