quinta-feira, 17 de março de 2011

Flores do pó
 


  • Com a vida apressada, angustiada, tão absorta em pensamentos pequenos, sem entender a dor disfarçada em mal humor, pouso os olhos no menino, ali, dormindo.

    No meio da rua, entre carros, passantes, cachorros e passarinhos destoantes, com as mãozinhas sobre a cama de papelão, agarradinho, inocente, no corpo do irmão. A mãe sofrida, sentada no sujo chão, tentando esconder a vergonha e a fome, tendo à frente o pai, derrotado enquanto homem.

    A dor oprimida no peito, sem conseguir engolir, ver assim alguém tão só, uma família - flores do pó. Ah, a cruz! Preguem-me na cruz. Quero morrer por eles, morrer por mim, inerte, covarde, torpe!

    Nada a fazer, senão sofrer? Não tem remédio, senão chorar?

    Menino dormindo, como o meu, como os nossos, sonha sonhos de criança, com luzes e festa, com brinquedos e paz, sorvete, banho, banheiro. Alegria o ano inteiro. Perdeu o endereço do céu, mas espera Papai Noel.


    Aquele pai e aquela mãe, sem teto ou dignidade, não sabem da missa a metade. Não choram, apenas pedem, que a sorte mude e os ventos tragam a esperança e o sorriso do menino, que dorme ali no chão, tranqüilo, ao relento, desprotegido.


    A leoa de dentes arrancados, o guerreiro sem escudo, sem lança, sem conseguir defender sua criança, olhar vazio, de alma apagada, sem ter mais nada. Nada a oferecer, senão seu corpo. Nada a pedir, senão o pão.


    E eu, e você, o que fazemos?


    Vamos embora, com a consciência confortada de que nada podemos fazer, por não termos o poder.

    Qual nada! Eu posso. Você pode. Mas é difícil, é cômodo. Você tem lar. Eu tenho pão. Eles é que não.

  • Autor:Desconhecido 

  • Nenhum comentário:

    Postar um comentário