quinta-feira, 30 de setembro de 2010

O que queremos

As vezes, tudo o que mais queremos é tão simples,*
tão pouco, como a atenção de alguém que gostamos.
As vezes, as pessoas que gostamos não percebem,
se matam em oferecer bens materiais, jóias,
o carro do ano, o apartamento de luxo,
e se esquecem do básico: *amor e carinho!*

*Isso vale para pais que pagam a escola,*
mas não tem tempo para sentar com os filhos
e ouvir por alguns instante, o que ele aprendeu.
Rir das suas trapalhadas, ajudar nas dificuldades.
*Um pouco de atenção vale tanto!*

*Isso vale para a esposa dedicada.*
Que se mata para deixar a casa brilhando,
fazer o jantar que "engorda até os olhos",
mas se fecha em reclamações da louça,
do desgaste das mãos, do cansaço das costas.
Melhor seria se fizesse menos,
e amasse um pouco mais...

*Isso vale para os maridos tão trabalhadores.*
Que não deixem que falte nada nos armários,
pagam as contas em dia, e se gabam disso.
Mas se esquecem do abraço sincero,
do beijo mais terno,
da palavra que encanta,
do olhar que admira.

*Tudo com custo zero,
dependendo apenas da atenção.
Atenção que se revela em dedicação,
que nasce da admiração, sem a qual,
o amor não resiste, aliás, nem existe.
*
*È tempo de prestar atenção!*
Diminuir a velocidade da sua vida.
Arrumar tempo para o que realmente importa.
Fazer menos dívidas com o consumismo,
e ter créditos com aqueles que te amam.
Porque tudo passa,
mas o carinho e a atenção
deixam marcas pela eternidade,
pois são frutos da verdade.

Eu acredito em você 

Nenhum comentário:

Postar um comentário